sábado, 22 de fevereiro de 2014

Educandário Ituiutabano (1958-1978) - Uma escola Espírita no interior das Gerais

Inauguração do Educandário, em 1958

A CONSTRUÇÃO DO EDUCANDÁRIO ITUIUTABANO

           
           O Educandário Ituiutabano foi uma iniciativa da União da Mocidade Espírita de Ituiutaba (UMEI), presidida por Germano Laterza, e sua construção teve início em 1954. O grupo de jovens que participavam da UMEI, encabeçados por Germano, decidiram construir a primeira escola ginasial gratuita na cidade, pois naquele momento só havia escolas particulares que ofereciam esse curso, tais como o Colégio São José, o Colégio Santa Teresa e o Instituto Marden, marcos de excelência no ensino da região, porém, as altas mensalidades dificultavam o acesso do aluno pobre. Nos anos de 1950, o índice de analfabetismo em Ituiutaba, conforme o censo do IBGE, apontavam para 57% de população analfabeta.

            O ensino em Ituiutaba era extremamente precário, só havia dois grupos escolares que ofereciam o Primário de forma gratuita, o Grupo Escolar João Pinheiro e o Grupo Escolar Ildefonso Mascarenhas, além de algumas escolas que funcionavam ligadas a entidades filantrópicas, como Igrejas e outras associações, que apenas ensinavam as crianças a ler, escrever e contar, sem nenhuma documentação ou registro.

            Dessa forma o Educandário Ituiutabano foi construído entre os anos de 1954 e 1958, sendo sua inauguração em 9 de fevereiro de 1958; e funcionando entre os anos de 1958 até 1978.

            A escola foi efetivamente construída pela colaboração do senhor Pepino Laterza, grande homem e grande construtor das obras assistenciais de Ituiutaba; por seu filho Germano Laterza e por uma comissão que constava, entre outros, do senhor João Damaceno e do senhor Ângelo Tibúrcio D’Avila. Destaca-se os esforços, no seu primeiro ano de construção, do pedreiro José da Cruz, que muito contribuiu para esse trabalho. José da Cruz é pai do odontólogo Eurípedes Higino, filho adotivo de Francisco Cândido Xavier, na cidade de Uberaba.

            Os recursos provindos do Estado foram muito poucos. Apenas algumas verbas anuais federais, conseguidas pelo então deputado Mário Palmério, da cidade de Uberaba, fundador da hoje UNIUBE, chegaram à obra. Mário Palmério inclusive foi homenageado na inauguração da escola, dando seu nome à Biblioteca que lá se instalou.

            O grupo de espíritas que compunham a UMEI, junto a outros voluntários da cidade, iniciaram uma grande campanha. Equipes foram formadas para arrecadação de material de construção e prendas que eram constantemente leiloadas, rifadas e vendidas para angariar fundos. Mas a maior parte do dinheiro para construção do prédio, provinha dos inesquecíveis “Bailes da Rainha do Arroz”, que animavam os ituiutabanos, na sede social do Ituiutaba Clube. As candidatas, moças da sociedade tijucana, vendiam votos na cidade e na região, e aquela que conseguisse arrecadar mais fundos recebia o título, além de outros prêmios.

            Os terrenos foram doados em parte pela Prefeitura Municipal, mas também por Anísio Demétrio Jorge, Jorge Miguel e Carlos Dias Leite, no Bairro Independência, hoje Escola Estadual Professora Maria de Barros, antiga fazenda Córrego Sujo.
 
Este texto é baseado em parte de minha pesquisa de mestrado sobre o Educandário Ituiutabano, que em breve disponibilizarei.
 
 




4 comentários:

  1. Muito importante este resgate da história. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, e ainda vamos postar mais notícias e fotos sobre este marco educacional. Por favor, nos ajude a divulgar, obrigado.

      Excluir
  2. Parabéns com muito louvor por essa iniciativa,Tive a sorte de curssar o ginasio nesta escola tão bem dirigida pelo DR PAULO SANTOS. grande mestre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha! ajude-nos a divulgulgar o blog Anderson Freitas e ainda postaremos mais notícias sobre este marco educacional. Obrigado

      Excluir